De fato, o perfil do consumidor mudou com a propagação do novo coronavírus. Durante a pandemia, as saídas para as compras em estabelecimentos físicos, por exemplo, se tornaram mais espaçadas – na tentativa da menor exposição a qualquer perigo – e, com isso, as compras pela internet cresceram de forma estrondosa, registrando números nunca vistos anteriormente.

Reflexo disso, uma pesquisa divulgada no mês de outubro pela Serasa Experian mostrou que, diante da pandemia, quase triplicou o número de brasileiros que usam a internet para comprar produtos domésticos.

De acordo com o levantamento, no mês de março, período que marcou o início as medidas de distanciamento social para conter a disseminação da doença no Brasil, 11% dos consumidores faziam compras online de itens domésticos, excluindo produtos alimentícios. Em julho, essa proporção saltou para 31%.

Para a realização da pesquisa, a Serasa ouviu 3 mil pessoas em dez países para realizar o estudo sobre as mudanças nos hábitos de consumo diante da pandemia. Segundo a empresa, o Brasil lidera o maior crescimento de compras online de produtos domésticos.

Nesse cenário, ter em mente que, no pós-pandemia, os clientes estarão ainda mais atentos, engajados e conscientes da importância das ações das empresas em relação às preocupações comuns da sociedade.

Reforçando as características desse novo perfil do consumidor, o professor da IBE Conveniada FGV, Joeval Martins, especialista em Canais de Vendas, Parcerias, Alianças e Competitividade, destaca que “clientes que antes resistiam em comprar online, agora estão vendo a necessidade crescer. E o que torna essa decisão favorável é ter a garantia de que serão bem atendidos”, ressaltou o especialista.

Entender o que é perfil do cliente faz toda a diferença na hora direcionar as estratégias de marketing, vendas e atendimento. Mas, afinal, como definir o perfil do consumidor?

Nessa etapa, é necessário fazer uma boa pesquisa, traçando aquele que seria o cliente ideal, a buyer persona, fazendo um levantamento de fatores culturais, sociais, pessoais e psicológicos que devem ser considerados na descoberta, construção e análise do perfil do cliente que a empresa quer atingir.

  • Pessoais: os interesses e opiniões das pessoas podem ser afetados por fatores como local onde residem, idade, gênero, profissão e experiências de vida;
  • Sociais: grupos de referência, como família, amigos e colegas de trabalho, também influenciam o comportamento de compra;
  • Cultural: valores religiosos, morais e relacionados a grupos sociais também refletem em nossas decisões;
  • Psicológicos:  motivação, visão de mundo e tipo de resposta diante de problemas.

Nesse processo, as informações citadas abaixo são essências para que as empresas identifiquem e atuem de forma assertiva com os seus clientes:

  • Idade;
  • Localização;
  • Gênero;
  • Estado civil;
  • Renda média mensal;
  • Escolaridade;
  • Ocupação;
  • Hábitos de consumo;
  • Dores, desejos e necessidades;
  • Nível de afinidade com a marca;
  • Assuntos de maior interesse;
  • Principais fontes de informação;
  • Redes sociais favoritas;
  • Hobbies;
  • Principais influenciadores nas decisões de compra;
  • Motivos que o fez escolher a marca, etc.

Ao responder essas perguntas, informações de extrema relevância serão coletadas, sendo o suficiente para começar a montar o perfil do consumidor ideal.

Utilizando dessa estratégia, a LC4 Comunicação, Marketing e Estratégia, agência localizada em Campinas, além de catalogar todas esses dados, durante a pandemia, a empresa reforçou o uso de ferramentas e recursos disponíveis, a fim de deixar os clientes em evidência no ambiente digital e no topo de buscas, de acordo com cada seguimento.

Realizando uma análise profissional para alavancar as vendas de produtos e serviços de suas contas, a empresa elabora estratégias para que as marcas se tornem cada vez mais conhecidas.

Por meio de um planejamento de ações detalhado, a LC4 também elabora ações para o aperfeiçoamento do atendimento dos clientes com lojas físicas, visando o momento atual e, claro, o momento pós-pandemia, onde a disputa pela preferência do consumidor, agilidade, segurança e qualidade serão itens ainda mais visados e exigidos por esse novo público.

5 dicas de como agradar o novo consumidor

Conhecer o consumidor é sinônimo maior assertividade nas estratégias de marketing, planejamentos mais adequados, redução de prejuízos, melhor escolha do canal e da linguagem da mensagem, maior satisfação do cliente, aumento das vendas.

Atualmente, as empresas não têm apenas um papel econômico, mas também social e, para agradar o perfil desses exigentes clientes no chamado ‘novo normal’, algumas dicas podem fazer a diferença. Confira 5 delas:

1. Ofereça um produto de qualidade

Oferte mais do que produtos, ofereça conveniência;

2. Tenha serviço ágil

Processos muito demorados, complicados e confusos são desestimulantes e resultam na desistência da compra;

3. Atendimento humanizado

Preze por profissionais capacitados e mantenha-os atualizados

4. Seja assertivo

Não “bombardeie” os potenciais clientes com propagandas. Desenvolve um planejamento impecável

5. Esteja conectado

Comprar com base em orientações fornecidas por pessoas que compartilham com o público os seus gostos e opiniões, os influenciadores digitais possuem poder de ditar tendências e transformar as opiniões de clientes em potencial.

Gostou desse texto? Continue navegando no nosso blog e veja conteúdos semelhantes. Boa leitura e bons negócios!

Referências para produção:

https://www.farmarcas.com.br/